quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Escrever... um grande desafio?! Fiat!


Pela primeira vez vou escrever no meu blog, algo de minha autoria, confesso que sinto um pouco de receio...
Escrever é uma eventura perigosa. Nela o coração humano se registra e se revela, falou Alfredo.
E bem que ele tinha razão. Acho que sempre tive um pouco de "medo" das críticas do que escrevo, talvez velhos "traumas" dos tempos das redações da escola, mas que eu superei com audacia e perseverança anos mais tarde. Isto fez com que eu me "escondesse" ou me resguardar-se nos versos e palavras emprestadas dos grandes autores.
" Uma edificação literária é um território onde muitas almas encontram descanso as suas inquietações. Por isso escolhemos os autores de nossa preferência." (Abner).
Este blog sempre foi para mim como uma fotografia do momento presente, tirada vez em quando. Mas creio que agora, pode fazer bem a alma humana... Assim eu espero. Ao menos a minha alma, já está fazendo. É o meu jardim, sendo plantado, cultivado. Preparando sua terra para receber as sementes.
Mas um desafio lançado por uma amiga... Auricleide Barros Nascimento..precisa lançar um livro...que tal....amo todos os posteres,com certeza a bagagem tá pesada de sabedoria...eu ia amar e seria a 1° a comprar..., me fez refletir. Gosto de ser desafiada. Ser desafiada nos desperta, nos faz crescer, acorda para as realidades!
O livro já não sei poderá vir com o tempo... quem sabe?! Que seja uma consequência e não a causa de escrever.
" A palavra também precisa envelhecer. A maturidade da obra é que lhe concederá perenidade.(...) Afinal, o livro é uma espécie de testemunho. nele eu confesso e reflito sobre o que confesso". (Abner)

" Estou nas palavras, mas estou sobretudo, nas entrelinhas. O que já sei dizer sobre mim é quase nada perto do que em mim se oculta. Talvez por isso eu esteja aqui. Tenho necessidade de conhecer melhor quem sou. Anseio por compreender o estatuto que me rege, A lei interior que me distingue e ao mesmo tempo me assemelha a uma parte da humanidade." (Alfredo)

Mas eis que chega o tempo de não mais falar por falar, mas produzir conteúdo, edificante e concreto. Sair do campo dos pensamentos e ingressar no tempo do pensamento falado e trabalhado.

" A palavra é um socorro da alma humana." (Abner).

Uma das coisas que me decidi é a ser autêntica em tudo e escrever e colocar pra fora um pouco do que eu sou, do que sinto... faz bem, limpa a alma.

" Estamos no que falamos. Ou porque escondidos, ou porque revelados. Mas também estamos no que ocultamos." (Abner)

As palavras não cabem em si mesma para expressar o que sinto e o que vêm ao meu coração. Tenho essa impressão ás vezes. Mas se não me aventurar a elas nunca me conhecerei e nem me darei a conhecer. E sei que este pode não ser o melhor dos meus textos e nem é essa a minha pretensão. O tempo fara das minhas palavras mais limpas, precisas e certeiras. Agora estou ainda no tempo da fermentação.

" Escrever é como fazer pão. (...)O tempo de fermentação é indispensável, pois é ele que faz com que o pão cresça antes de ser levado ao forno". (Abner)

Bem nestes tempos de Primavera, Novo de Deus, Recomeços, Surpresas... sigo saboreando a beleza de cada momento, cada palavra dita ou velada. A aventura continua. Este foi apenas o começo da Jornada. Fiat!


"Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro..."
(Clarice Lispector)

P.S.: Todas as citações dos personagens Abner e Alfredo, são do livro tão esperado e por mim, mesmo sendo este muito recente no meu "acervo" , tão querido, Tempo de Esperas - O itinerário de um florescer humano do grande Mestre, Pe. Fábio de Melo
.

4 comentários:

Dado Moura disse...

Parabéns por desejar partilhar com o mundo seus pensamentos. Voce vai se apaixonar por essa experiencia

Érika Carnib disse...

Parabéns amigaaaa..gosteii muitooo..vc é capaz de muito maiiis..bjks
ass:Érika carnib

LIdiane e Elder disse...

Parabéns Auri!
Muito bem escrito. Em cada palavra se percebe a influencia de boas e construtivas leituras.
Sua amiga estava certa. a bagagem você já tem.
E não se esqueça, meu livro e da lidi tem que ser autografado de próprio punho viu?

Guto Santos disse...

Olá cara anjinha!
Paz e Bem!

Apesar de vislumbrarmos apenas nossos "reflexos" de web, saiba que aparentas ser para mim uma pessoa extremamente simpática de sorriso e alegria vivaz.

Realmente... escrever é um desafio. As vezes é preciso encarar desafios... sim, escrever não é tão fácil como codificar sinais num papel. Eu mesmo me aventurei em elucidar esse mistério e até hoje não cheguei a uma conclusão convincente. Pois ao mesmo tempo é terra tranquila, outras vezes tempestade de areia e turbilhão.

Lembro do tempo que não vivi, onde as cartas costuravam diálogos e as palavras eram cuidadosamente talhadas. Cartas de Corinha e Drummond, gosto deles como exemplo. Cartas da prisão, que abriram portas para o Beto. Purgação, transbordamento da expressão, discordância, grito de catarse, fuga da irrealidade... tantas possibilidades, tantas motivações... Simplesmente silencie e ouça a sua própria. Abra o baú de seus recortes do pensamento e espalhe as letras por sobre a mesa e vá construindo, esculpindo, talhando aquela sua forma de registrar as coisas, as letras, as formas... só em fazer isso estará permitindo a grande e sutil obra que o Espírito faz nas pessoas que se abrem e são dóceis à sua ação, ao dínamo que infla e anima nosso ser. Epifania!

Sim, eu acho que deves escrever! Sem hora marcada, sem tema ditado, sem canto escolhido... apenas escreva o que você registra, o que você interpreta dessa canção da vida. Seja livro ou bilhete, canto ou falsete...escreva, cante, viva e deixe viver. E quando menos esperar terás diante de ti as fotografias da tua iluminação, dos riscos unidos que se desprendem do papel alvo.

Shalom!
Guto Santos
www.ensaiando.wordpress.com